sábado, 22 de abril de 2017

Por uma epistemologia hermenêutica

Ernildo Stein diz que a hermenêutica de Gadamer estabelece “um campo novo de exploração do problema do conhecimento e, portanto, uma epistemologia hermenêutica”.175 Gadamer abriu possibilidades que a modernidade fechara.
Hoje, qualquer filosofia ou ciência que pretenda a universalidade tem que ser repensada ou se coloca diante da hermenêutica filosófica. Diferentemente da racionalidade moderna que rompe com a tradição e pretende um conhecimento universal absoluto sem levar em conta a historicidade e as condições em que se dá a existência humana, a hermenêutica filosófica de Gadamer resgata a tradição e reintegra ao conhecimento sua mais autêntica caracterização humana.
A hermenêutica filosófica mostra que a verdade não se sujeita a apenas uma versão científica, mas possui uma dimensão que extrapola os limites do empírico e da subjetividade.
Igualmente Gadamer dá a linguagem humana seu lugar na existência humana. Não existe uma linguagem científica, mas uma linguagem humana do pensamento humano, numa existência humana que extrapola os reducionismos.
Ao concluir essa leitura preliminar a teoria de Gadamer, podemos perceber que o pensamento, a linguagem, o conhecimento, a filosofia e a hermenêutica andam juntos. Esta conclusão não temos pretensão de terminar a conversa com Gadamer, pois Verdade e método foi apenas o começo deste resgate e renovação do pensamento e da tradição.




175 STEIN, Ernildo. Gadamer e aconsumação da hermenêutica. Problemata. Rev.Int.de Filosofia. v.5, n.1, 2014.